pt

Participe do VI Seminário de Economia Criativa do Porto Digital

No dia 21 de fevereiro de 2017, o porto Digital realiza o VI Seminário de Economia Criativa do Porto Digital, que acontecerá dentro da programação do Recife Summer School!

Para quem não está ligado, o  Recife Summer School é um festival de eventos realizado anualmente pelo Porto Digital em parceria com várias empresas e instituições. Esses eventos têm foco em empreendedorismo e inovação, transversal às áreas de TIC, EC e Sustentabilidade, com o propósito de oferecer aos gestores públicos, empresários/empreendedores, especialistas, pesquisadores, artistas e estudantes a oportunidade de adquirir novos conhecimentos, trocar ideias, fazer networking e gerar oportunidades de negócios.

Na edição do Seminário de EC desse ano, abordaremos duas temáticas:
 
– Panorama e tendências da EC: casos do Reino Unido e Brasil (turno da manhã)
– Festivais como instrumentos de negócios e desenvolvimento econômico (turno da tarde)
Confira a programação e garanta sua vaga pelo site: rss.portodigital.org

Ainda não conhece Tempos de Olívia, de Patricia Maês?

Talvez em Tempos de Olívia se encontre uma das mais felizes definições do que seja a função de um artista hoje: “somos os gladiadores matando as feras que matariam os mais sensíveis.” Cada nova obra, como essa de PatriciaMaês, que é um banho de poesia, resgata o humano das aterradoras superficialidades vazias, ou seja, da “desumanização dos homens”.

Tempos de Olívia é prosa, mas prosa poética. Não se deixa levar pela simples narração objetiva. Acrescenta timbres inusitados e colore com notas emocionais cada frase. Faz com que nos adentremos na turbulenta psique de sua personagem Olívia, como se dentro de uma caverna escura pudéssemos sentir o frio das pedras, os desvãos das rochas, o intricado jogo de luz e sombra que nos confunde a realidade.

O medo diante da tela branca, da página sem uma palavra sequer escrita, de uma partitura muda: eis o drama do artista em seus momentos de crise criadora. O mote principal do romance de PatriciaMaês deriva desse drama. “O que houve comigo é que de repente abri mão de um caminho seguro e caí em um buraco de crise na criatividade.”

Diante da impossibilidade de criar, a personagem Olívia vai tecendo um universo amplo de investigações sobre si mesma e sobre sua relação com o mundo: seja o da arte, o do amor, o das amizades ou do seu público. No interior do romance, fica claro o drama do processo criador bloqueado cujo resultado é devastador, uma paralisia da própria vida que vai se constituindo em torno da personagem.

O drama da personagem é inicialmente exposto na ideia de que um cansaço a invadiu e é explicado pela ausência de ressonância de suas buscas espirituais e/ou artísticas no mundo externo, absolutamente vazio e superficial. Ela diz: “cansaço não de ofício, mas sim de existência interior para a qual não tenho visto correspondência nas coisas externas.”

A explicação sobre o sentido da existência dos artistas (esses “deuses tortos”) e da arte, é produzida no mesmo movimento da crise de criação que a envolve. Gerando uma reflexão sobre o sentido da própria crise, revela o resultado que a literatura teria na vida de seus leitores.

O artista seria, numa bela metáfora criada por Patricia Maês, aquele que “coloca o coração na ponta da lança e o oferece às feras.” E sua missão é clara: “A beleza é nosso papel, e só por ela estamos aqui.”

cacuria

CACURIÁ DE DONA TETÉ É UMA DAS ATRAÇÕES DA SEMANA DO LIVRO DE PERNAMBUCO

Almerice da Silva Santos, conhecida como D. Teté, foi a grande divulgadora dessa manifestação, responsável por tornar o cacuriá um dos símbolos da identidade cultural do Maranhão, era também caixeira do Divino Espírito Santo, rezava ladainhas, coreira de tambor de crioula e com participação em espetáculos de teatro.

O Cacuriá é uma dança tipicamente maranhense com influências da Festa do Divino Espírito Santo. ela  foi inventada por Seu Lauro, no ano de 1973, mestre popular que organizava vários de tipos de manifestações populares, como Festa do Divino, Bumba-meu boi, Baião Cruzado e outros.

O Cacuriá de Dona Teté foi criado pelo grupo Laborarte em 1986, tendo a frente arezadeira e caixeira da festa do Divino Espírito Santo Almerice da Silva Santos, Dona Teté. Durante o processo de criação do espetáculo o grupo Laborarte buscou elementos característicos que originaram da dança, identificar e expressar a teatralidade, a sensualidade latente da brincadeira, explorando o ritmo, o movimento dos quadris e a letra das canções, criando então uma identidade única que conquistou o público de maranhense e de outras regiões. Hoje, o Cacuriá de Dona Teté é referência para os outros grupos de cacuriá no Maranhão, além de ser reconhecido nacionalmente como um grande expoente das manifestações tradicionais brasileiras.

Atualmente, o espetáculo conta com 32 dançarinos, 04 caixeiras, cavaquinho, violão, flauta e efeitos percussivos, o Cacuriá de D. Teté apresenta um espetáculo alegre, dinâmico, ao som dos ritmos de carimbó, caroço, valsa e baião inspirado no carimbó de caixeiras. As músicas do espetáculo são de autoria de D. Teté, Rosa Reis, Cecé Ferreira, Dona Roxa, Camila Reis e de domínio popular.

As coreografias são criadas a partir dos movimentos dos pássaros e animais destacados nas letras das músicas, inspirada nas brincadeiras tradicionais, alegria das caixeiras e brincantes ao final da festa do divino, quando na derrubada do mastro érealização do carimbó de caixeiras.

O figurino de Cláudio Vasconcelos e adaptações do grupo Laborarte, é destaque do espetáculo, remete as indumentárias e adereços dos festeiros do divino Espírito Santo.

O espetáculo é envolvente e mexe com o público que ao final entra na roda e brinca com o elenco em algumas de suas coreografias.

A Semana do Livro traz grande diversidade de atrações e muita reflexão e diversão!

“É urgente (re)escrever o presente”

 

E assim se apresenta a Semana do Livro – Narrativas Possíveis do Presente, evento que ocorrerá de 30 de novembro a 4 de dezembro.  As pautas, enfrentamentos e dúvidas que marcaram o ano serão colocadas em debate. É preciso (re) escrever 2016. É tratar a palavra como ação, como instrumento de mudança e ativação social. Entre 30 de novembro e 4 de dezembro iremos ocupar o Mepe (Museu do Estado de Pernambuco) com debates, oficinas e mesas redondas, voltadas aos públicos adulto e infantil

A Semana do Livro de Pernambuco chega cheia de personalidade e força, trazendo temas bastante pertinentes ao momento e apresentando convidados de grande peso (até agora foram anunciados nomes como:  o escritor Bernardo Kucinski, a tradutora, escritora Ivone Benedetti, a jornalista e colunista do EL PAÍS Brasil, Eliane Brum, O crítico literário José Castello, a escritora Elvira Vigna, entre outros gigantes).

Com o pouco que foi liberado, já podemos ver uma diversidade muito grande na programação, que também traz a Bienalzinha e suas atrações (como Josildo Sá com o “Latada para Crianças“, banda  CordelândiaVinicius Viramundos e outros nomes que você pode conferir clicando aqui),  lançamentos de livros e até intervenção teatral com o grupo de teatro Magiluth.

Isso porque muita coisa não foi divulgada ainda, a Semana do Livro de Pernambuco nem chegou e já marca pela qualidade da programação. Com certeza vamos prestigiar e acompanhar tudo isso!

PROJETO PERNAMBUCO CONTINENTE IMAGINÁRIO FOI SUCESSO ABSOLUTO

Olá, meus caros leitores, tudo bem com vocês?  Se você é um apaixonado por literatura assim como nós, então deve ter acompanhado a iniciativa  pioneira da Bienal do Livro de Pernambuco em  criar um espaço para nossos autores e artistas dentro da Bienal do Livro de São Paulo.

estande-pronto

Nossos autores e artistas como protagonistas do maior evento do segmento da América Latina. Foram dez dias  onde tivemos grandes debates sobre literatura, sobre como as outras linguagens (como música e cinema) interagem com as letras. Lançamos livros, falamos sobre os 20 anos do Baile Perfumado, tivemos programação infantil, foram dez dias de protagonismos pernambucano.

inacio

 

Levamos poesia as ruas de São Paulo com o “Poesia em um minuto”, projeto de Sidney Nicéias e Carlos Enrique  Sierra. Dá uma olhada:

 

poesia-em-um-minuto

 

Lançamos algumas obras, entre elas  a mais vendida do Pernambuco Continente Imaginário, o romance psicológico “Noite em Clara”.

 

sidnoite

 

O hip-hop marcou presença aqui com Zé Brown e DJ Dan-Dan.

 

dandan

 

Fomos notícia!

 

 

jc

Nos divertimos e criamos história juntos. A parceria com o CAPS  – Centro de Arte e Promoção Social.

14064063_10208731739904151_2736460911051324443_n

 

Fomos sucesso! Obrigado a todos que participaram, mostrando que Pernambuco é mesmo diferente, valoriza os seus, prestigia as raízes. Ano que vem nos vemos aqui mesmo, na nossa Bienal. Até lá. o/

capes

sidney

O livro “Noite em Clara – Um Romance (e uma Mulher) em Fragmentos” foi o livro mais vendido do Pernambuco Continente Imaginário

sidney

Pernambuco Continente Imaginário (nosso estande na Bienal do Livro de São Paulo). O escritor esteve conosco em um bate-papo sobre a escrita e o mercado em Pernambuco, Brasil e América Latina, além de lançar o seu novo livro: “Noite em Clara – Um Romance (e uma Mulher) em Fragmentos”.

“Com uma narrativa em fragmentos, Sidney Nicéas explora uma técnica peculiar para espelhar em palavras os meandros da mente humana, revelando uma mulher vitimada pela violência e jogada à prisão de si, traduzindo dores e sensações que farão o leitor se identificar com o pandemônio de emoções do mundo moderno. Anoiteça em Clara”…

Livro esse que foi a obra pernambucana mais vendida na Bienal Internacional do Livro de São Paulo, através do nosso estande. Logo, ele será lançado em Recife.

Sidney também fez as intervenções do seu projeto ao lado de Carlos Enrique Sierras, o poesia em um minuto, onde leva poesia ao público no meio da agitação da cidade.

Confira as fotos:

sid-1

sid2-copia-copia

sid3

sid4

sid5-copia-copia-copia

sid6-copia-copia

sid7-copia-copia

sid8-copia

sid9-copia

sidnoite

sidpoesia

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO DO PERNAMBUCO CONTINENTE IMAGINÁRIO

PERNAMBUCO CONTINENTE IMAGINÁRIO é um projeto ousado e corajoso onde a Bienal do Livro – Pernambuco estará lá na Bienal do Livro SP, numa parceria com a Editora Cubzac, fortalecendo a nossa cultura e nossos artistas.

O evento começa amanhã e a programação está simplesmente fantástica, de cair o queixo! Estamos muito orgulhosos de podermos proporcionar esse momento e contamos com a sua presença, então se você está em São Paulo, passe na Bienal e nos encontre no estande Pernambuco Continente Imaginário, na rua O, n°39.

 

Confira nossa programação:

 

Dia 26, Sexta-feira

11h – Banda da Floresta: apresentação de um livro mágico

Laís Xavier (Mídias Educativas)

17h –O lume e o agreste: um romance do Sertão

Fábio Costa Coelho e Karla Melo

18h – O livro por trás da luneta: bastidores do filme A luneta do tempo, de Alceu Valença

Júlio Moura

19h – Cinema sem amarras

Hilton Lacerda, Luciana Corrêa de Araújo e Samuel Paiva

 

Dia 27, Sábado

11h – Banda da Floresta: apresentação de um livro mágico

Laís Xavier (Mídias Educativas)

16h – O escritor nacional no mercado editorial brasileiro

Andrea Nunes e Ana Beatriz Manier

17h – Lançamento do livro “Corte infiltrada”, de Andrea Nunes

17:30h – A literatura para a infância e juventude: arte com múltiplos olhares

Valdir Oliveira e Manoel Constantino

19h – O que se esconde na margem

BiagioPecorellie AdrienneMyrtes

Dia 28, Domingo

11h – Banda da Floresta: apresentação de um livro mágico

Laís Xavier (Mídias Educativas)

16h– Lara Canta Histórias

Lara Gomes

17h – Sarau de mulheres: Constelação poética

Poetas do Centro de Artes e Promoção Social do Grajaú

19h – No palco com lendas e assombrações

Newton Moreno e Carla Denise

 

Dia 29, segunda-feira

11h – Banda da Floresta: apresentação de um livro mágico

Laís Xavier (Mídias Educativas)

17h –A escrita não tem borda

João Alderley Pires e Abel Menezes

18 – lançamento do livro “Tramas da Vida”, de Abel Menezes

19h –Teia de Cordéis: Brasil, Portugal, Espanha

Maria Alice Amorim

 

Dia 30, terça-feira

11h – Banda da Floresta: apresentação de um livro mágico

Laís Xavier (Mídias Educativas)

17h – Pernambuco como referência geo-afetiva na obra de João Cabral

Selma Vasconcelos

18h – José Lins do Rego um Paraibucano (paraibano+pernambucano) e o olhar sobre a Casa

Paulo Avas

19h – Engrenagens da crítica: Literatura nos blogs

Cristhiano Aguiar e Adriano Portela

20h – Um romance musical

Daniella Pontes

20:30h – Lançamento do romance musical “Bella”, de Daniella Pontes

 

Dia 31, quarta-feira

11h – Banda da Floresta: apresentação de um livro mágico

Laís Xavier (Mídias Educativas)

17h – Uma bate-papo sobre o livroMeus bichinhos da Caatinga”

Ana Barros

19h –Escrita e mercado em Pernambuco, Brasil e América Latina

Sidney Niceas e Carlos Sierra

20h – Lançamento do livro “Noite em Clara”, de Sydney Niceas e do livro “Do amor e da Guerra”, de Carlos Sierra.

 

Dia 01, quinta-feira

11h – Banda da Floresta: apresentação de um livro mágico

Laís Xavier (Mídias Educativas)

17h – Poesia e Hip hop

Zé Brown e Dj Dan Dan

19h – A música no texto de PatriciaMaês

PatriciaMaês e Luís Louceiro

20h – Lançamento “Tempos de Olívia”, de Patrícia Maês

 

Dia 02, sexta-feira

11h – Banda da Floresta: apresentação de um livro mágico

Laís Xavier (Mídias Educativas)

16h – Início da carreira de escritor: desafios e oportunidades

Yuri Pires e Carlos Melo

17h – Quatro mulheres, quatro editoras

Patrícia Vasconcelos (Caleidoscópio), Karla Melo (Confraria dos vento), Maria Vilane(Capsianos) e Deborah Echeverria (Cubzac)

19h–  Literatura, sustentabilidade e meio ambiente

Adenildo Lima e João Paulo de Melo

20:30h – Escrivão do tempo

Maria Cristina Cavalcanti de Albuquerque e José Nêumanne Pinto

 

Dia 03, sábado

11h – Banda da Floresta: apresentação de um livro mágico

Laís Xavier (Mídias Educativas)

16h – Literatura de gêneros: desafios e conquistas

Dielson Vilela e Mirela Paes

17h – Na boleia do caminhão, humor e drama

Cláudio Assis e Ana Carolina Francisco

18h – Penso que poderia estar no lugar deles – Sophia (10 anos) e como seus desenhos ajudaram os refugiados

Sophia Maia

18:30h – Lançamento do livro “Imaginário – A arte solidária de Sophia”, de Sophia Maia

19h – Dissecando nervos

Marcelino Freire e Jorge Filholini

 

Dia 04, domingo

11h – Banda da Floresta: apresentação de um livro mágico

Laís Xavier (Mídias Educativas)

16h – Conto como escrevo conto

Caio Viana e Ricardo Minuti

17h – O perfume do baile, 20 anos

Paulo Caldas, Lírio Ferreira e Hilton Lacerda

18:15h Roda de Poesia

Poetas do Centro de Artes e Promoção Social do Grajaú

19h – Lançamento do selo Capsianos (lançamento de 3 livros)

20:00–Desvios e rupturas na escrita

Fernando Monteiro e Fabiano Calixto

 

III Feira do Livro agita Petrolina com várias atrações

Feira do Livro do Vale do São Francisco está chegando cheia de atrações bacanas, entre elas estão os autores que apresentam seus trabalhos na Plataforma de Lançamentos  que ocorre entre 04 e 07 de agosto, em Petrolina, no Centro de Convenções Senador Nilo Coelho, sempre das 14 as 21h. Coordenada pelo poeta de Juazeiro João Gilberto Guimarães Sobrinho, foram selecionados cerca de 25 trabalhos diferenciados de proeminentes produtores de conteúdo da região, que podem ser conferidos no site do evento: http://www.feiradovale.com.br/.

“A principal preocupação foi com a diversidade da plataforma. Tentei incluir veteranos e iniciantes, considerando que este é também um espaço para a promoção de novos autores e autores desconhecidos do grande público. Poetas pernambucanos e baianos, poesia marginal, também a literatura de cordel, impressões sobre jornalismo, memórias, pesquisas e trabalhos acadêmicos são alguns dos elementos que compõem o roteiro da plataforma deste ano”, diz João Gilberto Guimarães Sobrinho.

Entre os nomes que se destacam na iniciativa do festival de literatura da região estão artista e poeta de Lagoa Grande, Francinaldo Borges, com  “Raízes do Coração”, obra literária de cordel, inspirado primeiramente nas histórias da comunidade quilombola da qual é remanescente e também nas histórias do sertão. A escritora Ana R Costa de Petrolina lança o trabalho “De Volta Pra Casa” que enfoca família e espiritualidade, que faz com que o leitor tenha um encontro consigo mesmo e descubra qual o real propósito de sua vida, e desta forma possa ter vida em abundância.

cordel de pequeno pricnpeOutro projeto que mostra toda força da literatura do Vale é o livro “O Pequeno Príncipe em Cordel” de Josué Limeira da Silva Júnior, uma adaptação da obra consagrada mundialmente do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry (1900-1944), com ilustrações de Vladimir Barros. E o trabalho iniciado aos 13 anos de Ronilde Gonçalves chega na forma de versos que cantam amores, vida e amigos em “Poetizando”, livro na qual a poetiza Lagoagrandense enfatiza toda sua inspiração (a beleza das diversas poesias que costumava ler, o sol, a noite, o amanhecer, os sonhos, a saudade e o querer).

O evento, que movimentará a região do Vale durante quatro dias, promete ainda uma vasta programação com cerca de 30 atividades para todos os públicos, a exemplo das duas primeiras edições. Neste 2016, diversos nomes estão neste destaque como o poeta Miró da Muribeca que irá lançar seu novo livro “O Penúltimo Olhar Sobre as Coisas”. Autor homenageado em 2015 na X Bienal Internacional do Livro de Pernambuco (evento realizado no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda),

Miró comemorará seus 56 anos no sábado (06), com uma ação especial para o poeta, cuja obra vem conquistando há anos impactando a literatura pernambucana. Mas, a III Feira do Vale do São Francisco envolverá ainda contação de histórias, performances artísticas, debates, bate papo com autores e oficinas especiais.

Com o foco de atividade de formação, serão realizadas muitas oficinas dentro da programação geral da III Feira do Livro do Vale do São Francisco e da agenda da Bienalzinha, uma iniciativa vinculada às ações da Bienal Internacional do Livro de Pernambuco, em parceria com a Cia. do Lazer, que envolve um ambiente específico para as atividades com o público infantil. Das propostas oferecidas durante os quatro dias de evento estão “A Educação na Construção da Identidade Sertaneja”, “Literatura de Cordel na sala de aula” e “Educação Patrimonial por meio de Inventários Participativos”, que tem o objetivo de ajudar professores, educadores, arte-educadores e pessoas interessadas em ampliar conhecimento e atuar de alguma forma no universo do saber pela leitura. Informações devem ser levantadas antecipadamente no site, assim como dados sobre inscrições.

Integrado ao calendário cultural do estado e considerado já como um dos principais eventos da região, a Feira do Livro do Vale do São Francisco é uma co-realizada pela Prefeitura de Petrolina, Cia de Eventos e a Ideação. Conta atualmente com o apoio da Univasf, o Sebrae, o Museu Cais do Sertão, Cia. do Lazer, entre outras organizações, instituições e empresas que tem ajudado a reforçar a força do mercado literário brasileiro, regional e pernambucano. Realizada há mais de dois anos, reúne em um mesmo espaço expositores do mercado livreiro, escritores, artistas e produtores culturais que movimentam uma ampla programação voltada a disseminação da cultura e educação através da leitura.  A programação da III Feira do Livro do Vale do São Francisco proporcionará várias novidades para a região, pode ser conferida nas mídias sociais do evento e através do site.

 

PE CONTINENTE IMAGINÁRIO – MUITO ALÉM DAS LETRAS

Por Ivelise Buarque

A literatura no cinema através do trabalho autoral de roteirização será um dos pontos também enfatizados na programação do Pernambuco Continente Imaginário a partir de nomes renomados, que marcaram o moderno movimento cinematográfico pernambucano como os realizadores de uma das produções mais aclamadas dos últimos 20 anos, “Baile Perfumado” de Paulo Caldas e Lírio Ferreira. Nessa perspectiva, teremos seus idealizadores em destaque que falarão das suas experiências neste universo interligado.
Ao longo dos anos Paulo Caldas dirigiu outros memoráveis projetos como “Deserto Feliz” de 2007 que conquistou o prêmio da crítica como melhor diretor, e melhor filme do júri popular do Festival de Gramado, e Lírio Ferreira realizou Sangue Azul, filme independente que foi premiado por melhor fotografia e melhor figurino no Festival Paulínia de Cinema de 2014. Hilton Lacerda se destacou pelos roteiros de filmes como “Amarelo Manga” de 2002 (Cláudio Assis), “Árido Movie” de 2006 (Lírio Ferreira) e “A Festa da Menina Morta” de 2008 (de Matheus Nastchergale), mas ganhou protagonismo como diretor com seu “Tatuagem” de 2014, bastante comentado pela crítica.

Já o amigo e parceiro de algumas películas, Cláudio Assis, ganhou notoriedade pelo cinema com um olhar mais cru sobre o universo em que estão inseridos tipos humanos que habitam de forma quase invisível o cotidiano nordestino: “Baixio das Bestas” (2006), “A Febre do Rato” (2011) e “Big Jato” (2015). “Todos os convidados terão um ambiente de visibilidade dos seus trabalhos e os visitantes do nosso estande poderão ter uma maior integração com os nossos participantes, através de uma programação com conteúdo de qualidade, mostrando o que Pernambuco está produzindo. Além disso, vamos colocar a literatura para dialogar com todas essas linguagens artísticas como o cinema, teatro, música, etc. Mas, o espaço também será aproveitado para o desenvolvimento e fortalecimento do relacionamento com parceiros institucionais e comerciais da Bienal Internacional do Livro de Pernambuco, e atrair novas possibilidades para a edição em 2017”, completa Rogério Robalinho.

Pernambuco Continente Imaginário abre caminhos para as diversas vertentes da produção no Nordeste na Bienal de São Paulo, em Agosto

Por Ivelise Buarque

 

Pernambuco sempre teve uma posição de destaque nas artes e na cultura do país, inclusive com grande protagonismo nas letras e escritas pelas vozes daqueles que retrataram suas histórias, projetaram suas tradições e ecoaram suas musicalidades de diversas formas e ritos como na própria literatura, música, cinema e dança.

Reunião a todo vapor para o PE Continente Imaginário!

Da terra de Carneiro Vilela, Gilberto Freyre e Maximiano Campos surgiram novos nomes que resgatam o empoderamento da produção cultural do estado, e parte dessa seara estará presente em São Paulo, entre 26 de agosto e 04 de setembro de 2016, através do projeto pioneiro “Pernambuco Continente Imaginário – A Literatura de Pernambuco na 24ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo 2016”. “Realizada pela Cia. de Eventos em parceria com a Câmara Brasileira do Livro e a Editora Cubzac, a participação deste projeto literário no maior evento do segmento da América Latina é uma movimentação inédita em todo o País.

E esta iniciativa já anuncia o que pretendemos realizar na próxima edição da Bienal Internacional do Livro de Pernambuco, que ocorre no período de 06 a 15 de outubro de 2017, em Recife”, diz Rogério Robalinho, empreendedor cultural e diretor geral da Cia. de Eventos.

Desenvolvido pela Cia. de Eventos e pela Cubzac Editora, Pernambuco Continente Imaginário congrega um espaço que proporcionará a realização de diferentes atividades com artistas pernambucanos, mostrando a efervescência da produção da região em todas as suas vertentes (regional e contemporânea).

Marcelino Freire – Um dos escritores que estará presente em nosso espaço.

E com este pensamento manterá uma ampla e sólida programação pautada nos expoentes do estado em todos os dez dias no maior centro de exposições da América Latina. Iniciativa de promoção institucional da XI Bienal Internacional do Livro de Pernambuco, que alcança sua décima primeira edição em 2017, terá na agenda convidados como Marcelino Freire, Paulo Caldas, Biaggio Pecoreli, Hilton Lacerda, Carla Denise, Lírio Ferreira, Samarone Lima e Cláudio Assis. “Os nomes convidados marcam presença em palestras, bate-papos, lançamentos, workshops, apresentações variadas (entre os quais estão cordelistas e repentistas), lançamentos, debates, sketches  artísticos, declamações, sarau de poesia, contação de histórias e interações com o universo lúdico infantil, assim como rodada de negócios e outras atrações que despertem a atenção do público infanto-juvenil, adolescente, adulto e infantil”, reforça Robalinho.